28 de jun de 2013

cronica da inocência


Crônicas da inocência

Não importa se você é rico, gordo, feio, pobre, bonito, - a criança não enxerga essas coisas. Independentemente de sexo, religião, cor, classe social - a criança ama incondicionalmente. Se você briga com ela por causa que ela fez da panela uma bateria, alguns minutos depois, portanto, ela estará ao seu lado a solicitar-lhe atenção. Se você esbraveja só porque a criança rabiscou um documento importantíssimo que você esqueceu sobre o criado-mudo; algumas horas após ela estará com a cabeça encostada no seu ombro a pedir-lhe carinho.
Quando tornamos adultos, por vezes, ouvimos sugestões do tipo: 'não seja ingênuo!' - como se isso fosse a pior coisa do mundo. Absolutamente! Minha avó, por exemplo, morreu com oitenta anos sendo ingênua, viveu muito bem, e isso nunca foi uma desvantagem: minha mãe é ótima pessoa, assim como meus tios - a educação não foi influenciada pela ingenuidade de minha vó.
E então o filho chega em casa a reclamar que o coleguinha da sala o empurrou, e o pai diz: 'Não seja bobo, filho, vá la e revide'. Pra quê? Pra gerar violência? Talvez o mais correto a fazer é ignorá-lo de modo a não mais falar com esse "coleguinha". Ok, a vida tem suas vantagens e desvantagens em fazer-nos aprender que, alguns momentos, não podemos ser tão ingênuos, mas a pureza do ser-humano tem muito de nossa consciência. Se você achar uma carteira com cem reais e o RG, você entrega ao dono?... é a sua consciência que manda!
A criança não faz por mal, não mede controle... às vezes solta um palavrão porque ouviu alguém falar, mas cabe aos pais advertir. Já diziam grandes filósofos da época Antes de Cristo: A retórica é o melhor remédio. Ou seja, quem não se comunica se estrumbica (sic). Até um ano de idade Pedro Henrique, 6, meu filho, viveu único. Daí, vieram os gêmeos, o que reduziu em 33,33% a atenção voltada para o primogênito, de maneira que causou-lhe insegurança. Soma-se a isso o fato de termos tirado a chupeta do Pedro precocemente. Resultado: chupa dedo até hoje
Passei-lhe um sermão: "Pedro, a vida não é tão fácil como parece. Ninguém vai passar a mão na sua cabeça pelo resto da vida, e você  nem vai ficar chupando esse dedo pra sempre. Esteja certo que a vida vai te dar porrada, mas não importa o quanto ela vai te bater, importa o quanto você aguenta apanhar. O que importa é resistir. Manter-se vivo,então: Força!! Enfie nessa sua cabeça que você consegue e repita: 'eu não vou chupar mais o dedo, eu vou conseguir eu vou conseguir.'" E nunca. nunca deixe os outros falar que você não pode, porque você PODE!
Após alguns segundos repetiu: "eu vou conseguir, eu vou conseguir" Funcionou! às vezes uma conversa basta, ele está no caminho a fim de atingir tal objetivo.
"Primeiro a chuva, depois o arco-íris. Acostume-se com essa ideia" autor desconhecido.

21 de jun de 2013

Sorte!



É um significado esquisito, é distante do mundo real, inexiste, é abstrata e não acontece da noite para o dia; de modo que não é porque está escrito ‘boa sorte’ no rodapé da prova bimestral que você terá um ‘dez’! Se não estudou, não há votos de boa sorte que faça você ser o primeiro da classe. Soa-me como uma palavra jogada ao vento: Boa sorte, alguém fala quando sabe que você vai fazer uma entrevista, ou estrear uma peça. Ok, é uma maneira positiva de motivar as pessoas, e não é nenhuma equação difícil saber que conhecimento + oportunidade é =  a sorte, se compreendermos que deve-se ter o conhecimento necessário para que se tenha sorte.
Neymar tem sorte de fazer gols? Pô, o cara é o melhor jogador do Brasil - faz coisa com a bola que ninguém faz, porque treinou anos a fio pra isso - ele nasceu para jogar bola e teve sorte? Shumacker tem sorte de ganhar seis vezes o campeonato mundial? O piloto alemão tem competência e muita garra - isso chama-se preparação!
Quando passei uma temporada em Nevada – EUA, onde a jogatina é legal, em todos os cassinos havia cartazes com os rostos das pessoas que faturaram boladas milionárias nos caça-níqueis, depois, eu soube que aquilo não passava de propaganda para incentivar os azarados mais desavisados que correm o risco de, certamente, perder seus quinhões, como eu, por exemplo. Se cassino servisse para distribuir dinheiro, o mesmo não teria tanta grana! Ou seja, você até pode ganhar algumas dezenas de dólares, mas nada que trará prejuízo ao cassino avarento. As pessoas com sorrisos de ponta-a-ponta - cujas fotos estão espalhadas nos cassinos - realmente ganharam grana, mas pode ter certeza que foi bem menos que a metade do que deixaram lá suas vidas inteiras - já que são viciados!
Tampouco se nasce com a sorte. Do ponto de vista da compreensão integral desse fenômeno, quando vem à luz uma criança, a mãe fala: que menino de sorte, bonito e saudável (até vizinhos falam isso pra encher a bola!). E enche mesmo, pois a criança só não vai ter sorte na vida, como ainda vai ser bonito e saudável, de modo que, numa visão holística, isso não tem a ver com conceitos físicos e, sim, psicológicos. Por mais que a criança seja feia, ela se sentirá bonita por dentro e isso será aflorado através de sua própria energia, pois cresceu ouvindo elogios. Cresceu ouvindo que tem sorte? Vai ter! Cresceu ouvindo ouvindo que é saudável? Vai ser: o que se planta no desenvolvimento infantil trará frutos na vida adulta!
Aquilo que anda contigo, faz parte de você, quiçá, conseguirá até achar dinheiro na rua, pois, subconscientemente, o significado daquela palavra ficou inserida em sua cabeça, e foi direcionada para todas as ações que você fez, faz e fará - o que culmina em sucesso, dando o nome a isso de sorte - talvez, ao nascer, a mãe achou que a criança tivesse sorte porque veio com os olhos claros, por exemplo – não importa - quando você ouve o que gosta, essa energia é captada. ‘Sorte’ não passa de um termo incentivador.
Aí eu fui jogar na mega-sena acumulada. Vi que os três últimos números batiam com o que eu tinha em mãos. Moça, olha, acertei esses números. Como o bilhete tem código de barra, ela escaneou e disse: Veja aí no visor desse aparelhinho o quanto você ganhou. - Oito reais, só?, indaguei... no verso do bilhete diz que quem acerta a centena leva sessenta reais... – Não posso fazer nada, se a máquina fala oito reais, então é esse o valor. Saí de lá a ponto de desconfiar que a maquininha precisava de manutenção urgente. Sorte? Bah! Prefiro acreditar que a mola propulsora que me motiva a ganhar dinheiro honesto, corresponde a cada gota do suor de meu trabalho, a que pensar que um dia eu possa obter dinheiro com jogos! Os sessenta reais foram divididos em várias pessoas que também acertaram a centena – por isso recebi pouco. Talvez eu seja cético demais para acreditar que vou ganhar na loteria por pura sorte, ou qualquer coisa que valha.

“Você não pode esperar ser um cão sortudo, se passa todo seu tempo rosnando” autor 

6 de jun de 2013

A cara do Brasil



Segue abaixo comentário de um aluno que nasceu na França e rodou boa parte do mundo. Atualmente, George está no Brasil.
-Aqui no Brasil, tem três vocábulos para a mesma palavras: mandioca, aipim e macaxeira. Lá  na França nem existe mandioca. -Aqui no Brasil, não se pode tocar a comida com as mãos. Nos fast-foods, hambúrgueres se come dentro de um guardanapo. Toda mesa de bar, restaurante ou lanchonete tem guardanapos e palitos. Até no açougue a carne é embalada, tudo higiênico. -Aqui no Brasil, os casais, dentro dos restaurantes sentam um do lado do outro como se estivessem no banco traseiro de um carro!
-Aqui no Brasil, não tem o conceito de refeição com entrada, prato principal, queijo, e sobremesa separados. Em geral se faz um prato com tudo: verdura, carne, queijo, arroz e feijão. Aqui no Brasil, todo mundo gosta de pipoca e de cachorro quente, não entendo! Aqui no Brasil pode-se pedir a metade da pizza de um sabor e a metade de outro, ideia simples e genial! Há muita comida aqui: desperdiça-se demais. -Aqui no Brasil, se produz o melhor café do mundo e em grandes quantidades. Uma pena que, em geral, se prepare muito mal e cheio de açúcar. 
-Aqui no Brasil, não falta espaço. Falam que o país tem dimensões continentais. E é verdade, daria para caber a humanidade inteira no Brasil. Mas então se tiver tanto espaço, por que é que as garagens dos prédios são tão estreitas? E por que não tem ciclovias? E por que nas calçadas os pedestres não conseguem passar direito? -Poucos são os brasileiros que conhecem artistas argentinos ou colombianos. O Brasil, às vezes, parece uma ilha gigante na América latina, embora tenha uma fronteira com quase todos os outros países do continente. Praias bonitas não faltam, mas eles insistem em ir para Europa e conhecem mais lugares do que eu. Não poupam: Gastam suas moedas com viagens! Sequer conhecem a Amériaca do Sul. -Aqui no Brasil, os chineses são japoneses.
-Aqui no Brasil, parece que a profissão onde as pessoas são mais felizes é coletor de lixo. Eles estão sempre empolgados, correndo atrás do caminhão como se fosse um trio elétrico do carnaval. Eles também são atletas: têm energia para correr, jogar as sacolas, gritar, e ainda falar com as mulheres passando na rua. -Aqui no Brasil, no táxi nunca se paga o que está escrito.
 -Aqui, a vida anda devagar. É normal estar preso no trânsito o dia todo e ficar 10 minutos na fila do supermercado, nem que tenha apenas uma pessoa na sua frente. Demora para passar a compra e, muitas vezes, a pessoa do caixa tem que digitar os códigos de barra na mão. Às vezes ela pede ajuda para outro funcionário. Mas, na hora de retirar o cartão é rápido: “pode retirar, senhora!”. -Aqui no Brasil, não se assuste se for convidado para uma festa de aniversário de dois anos de uma criança. Vai ter mais adultos do que crianças, e mais cerveja do que suco de laranja. Também não se assuste se parece mais com a coroação de um imperador romano do que com o aniversário de dois anos. É ‘normal’. 
-Aqui no Brasil, sinais exterior de riqueza são muito comuns: carros importados, restaurantes caríssimos em bairros chiques, clubes seletivos cujas cotas atingem valores estratosféricas -Aqui tudo se organiza em fila: fila para pagar, fila para pedir, fila para entrar, fila para sair e fila para esperar a próxima fila. E duas pessoas já bastam para constituir uma fila. -Aqui no Brasil, o ano começa “depois do Carnaval”. 

"Aprendi que eu não vou contentar todo mundo. Apenas estar em paz comigo mesmo, já é o suficiente" - autor desconhecido (fonte: site de videos).